A Guerra

Print Friendly, PDF & Email

A Guerra (Alberto Caeiro)

A guerra que aflige com os seus esquadrões o Mundo,
É o tipo perfeito do erro da filosofia.

A guerra, como todo humano, quer alterar.
Mas a guerra, mais do que tudo, quer alterar e alterar muito
E alterar depressa.

Mas a guerra inflige a morte.
E a morte é o desprezo do Universo por nós.
Tendo por conseqüência a morte, a guerra prova que é falsa.
Sendo falsa, prova que é falso todo o querer alterar.

Deixemos o universo exterior e os outros homens onde a Natureza
os pôs.

Tudo é orgulho e inconsciência.
Tudo é querer mexer-se, fazer cousas, deixar rasto.
Para o coração e o comandante dos esquadrões
Regressa aos bocados o universo exterior.

A química direta da Natureza
Não deixa lugar vago para o pensamento.

A humanidade é uma revolta de escravos.
A humanidade é um governo usurpado pelo povo.
Existe porque usurpou, mas erra porque usurpar é não ter direito.

Deixai existir o mundo exterior e a humanidade natural!
Paz a todas as cousas pré-humanas, mesmo no homem!
Paz à essência inteiramente exterior do Universo!

Publicações relacionadas

Ultima visão Ultima visão (Augusto dos Anjos) Quando o homem resgatado da cegueira Vir De...
With the man With the man (Paulo Leminski) aqui no oeste todo homem tem um preço u...
Prendimiento de Antoñito El Ca... Prendimiento de Antoñito El Camborio en el camino de Sevilla (Federico Garcia Lo...
Cantada Cantada (Ferreira Gullar) Você é mais bonita que uma bola prateada De papel...

Deixe uma resposta