Pátio

Print Friendly, PDF & Email

Pátio (Jorge Luis Borges)

Tradução de Manoel Bandeira

Com a tarde
Cansaram-se as duas ou três cores do pátio.
A grande franqueza da lua cheia
Já não intusiasma o seu habitual firmamento.
Hoje que o céu está frisado,
Dirá a crendice que morreu um anjinho.
Pátio, céu canalizado.
O pátio é a janela
Por onde Deus olha as almas.
O pátio é o declive
Por onde se derrama o céu na casa.
Serena
A eternidade espera na encruzilhada das estrelas.
Lindo é viver na amizade obscura
De um saguão, de uma aba de telhado e deuma cisterna.

Publicações relacionadas

Canto do Meu Canto Canto do Meu Canto (Thiago de Mello) Escrevi no chão do outrora e agora me ...
Na Minha Terra Na Minha Terra (Álvares de Azevedo) Laisse-toi donc aimer! Oh! l'amour...
Todas as vidas Todas as vidas (Cora Coralina) Vive dentro de mim uma cabocla velha de mau-...
Morte Vida Severina Morte Vida Severina (João Cabral de Melo Neto) ------------------------------...

Deixe uma resposta