Pátio

Print Friendly, PDF & Email

Pátio (Jorge Luis Borges)

Tradução de Manoel Bandeira

Com a tarde
Cansaram-se as duas ou três cores do pátio.
A grande franqueza da lua cheia
Já não intusiasma o seu habitual firmamento.
Hoje que o céu está frisado,
Dirá a crendice que morreu um anjinho.
Pátio, céu canalizado.
O pátio é a janela
Por onde Deus olha as almas.
O pátio é o declive
Por onde se derrama o céu na casa.
Serena
A eternidade espera na encruzilhada das estrelas.
Lindo é viver na amizade obscura
De um saguão, de uma aba de telhado e deuma cisterna.

Publicações relacionadas

Romance sonâmbulo Romance sonâmbulo (Federico Garcia Lorca) (A Gl...
Soneto do Amigo Soneto do Amigo (Vinicius de Moraes Enfim, depois de tanto erro passado Tant...
A Máscara A Máscara (Augusto dos Anjos) Eu sei que há muito pranto na existência, Dore...
O Martírio do Artista O Martírio do Artista (Augusto dos Anjos) Olha agora, mamífero inferior, A ...

Deixe uma resposta