Pátio

Print Friendly, PDF & Email

Pátio (Jorge Luis Borges)

Tradução de Manoel Bandeira

Com a tarde
Cansaram-se as duas ou três cores do pátio.
A grande franqueza da lua cheia
Já não intusiasma o seu habitual firmamento.
Hoje que o céu está frisado,
Dirá a crendice que morreu um anjinho.
Pátio, céu canalizado.
O pátio é a janela
Por onde Deus olha as almas.
O pátio é o declive
Por onde se derrama o céu na casa.
Serena
A eternidade espera na encruzilhada das estrelas.
Lindo é viver na amizade obscura
De um saguão, de uma aba de telhado e deuma cisterna.

Publicações relacionadas

Oswald morto Oswald morto (Ferreira Gullar) Enterraram ontem em São Paulo um anjo antrpó...
Últimas lamentaciones de Abel ... Últimas lamentaciones de Abel Martín (Antonio Machado) Hoy, con la primavera,...
Ergue, criança, a fronte condo... Ergue, criança, a fronte condorina ... (Augusto dos Anjos) Soneto Ao meu p...
Há Poetas que são Artistas Há Poetas que são Artistas (Alberto Caeiro) ...

Deixe uma resposta