Ângulo

Print Friendly, PDF & Email

Ângulo (Mário de Sá Carneiro)

Aonde irei neste sem-fim perdido,
Neste mar oco de certezas mortas? —
Fingidas, afinal, todas as portas
Que no dique julguei ter construído…

— Barcaças dos meus ímpetos tigrados,
Que oceano vos dormiram de Segredo?
Partiste-vos, transportes encantados,
De embate, em alma ao roxo, a que rochedo?…

Ó nau de festa, ó ruiva de aventura
Onde, em Champanhe, a minha ânsia ia,
Quebraste-vos também, ou porventura,
Fundeaste a Oiro em portos de alquimia?…
………………………………………………………………………………………

Chegaram à baia os galeões
Com as sete Princesas que morreram.
Regatas de luar não se correram…
As bandeiras velaram-se, orações…

Detive-me na ponte, debruçado.
Mas a ponte era falsa — e derradeira.
Segui no cais. O cais era abaulado,
Cais fingido sem mar à sua beira…

— Por sobre o que Eu não sou há grandes pontes
Que um outro, só metade, quer passar
Em miragens de falsos horizontes —
Um outro que eu não posso acorrentar…

Publicações relacionadas

Refletindo sobre o inferno Refletindo sobre o inferno (Bertold Brecht) Refletindo, ouço dizer, sobre o i...
Minha Universidade Minha Universidade (Vladmir Maiakowski) Conheceis o francês, sabeis dividir...
Las moscas Las moscas (Antonio Machado) Vosotras, las familiares, inevitables golosas, ...
A boa vista A boa vista (Castro Alves) Sonha, poeta, sonha! Aqui sentado No tosco...

Deixe uma resposta