Fim

Print Friendly, PDF & Email

Fim (Mário de Sá Carneiro)

Quando eu morrer batam em latas,
Rompam aos saltos e aos pinotes,
Façam estalar no ar chicotes,
Chamem palhaços e acrobatas!

Que o meu caixão vá sobre um burro
Ajaezado à andaluza…
A um morto nada se recusa,
E eu quero por força ir de burro!

Publicações relacionadas

Clamando… Clamando... (Cruz e Souza) Bárbaros vãos, dementes e terríveis Bo...
Neologismo Neologismo (Manuel Bandeira) Beijo pouco, falo menos ainda. Mas invento pala...
Poema esquisito Poema esquisito (Adélia Prado) Dói-me a cabeça aos trinta e nove anos. Não ...
Retribuindo Retribuindo (Mário de Andrade) Por que os homens não me escutam? Por que os g...

Deixe uma resposta