Fim

Print Friendly, PDF & Email

Fim (Mário de Sá Carneiro)

Quando eu morrer batam em latas,
Rompam aos saltos e aos pinotes,
Façam estalar no ar chicotes,
Chamem palhaços e acrobatas!

Que o meu caixão vá sobre um burro
Ajaezado à andaluza…
A um morto nada se recusa,
E eu quero por força ir de burro!

Publicações relacionadas

Digo que não sou um homem puro... Digo que não sou um homem puro (Nicolás Guillén) ...
Post mortem Post mortem (Augusto dos Anjos) Quando do amor das Formas inefáveis ...
Canção da mais alta torre Canção da mais alta torre (Arthur Rimbaud) Tradução de...
Idealização da Humanidade Futu... Idealização da Humanidade Futura (Augusto dos Anjos) Rugia nos meus centros c...

Deixe uma resposta