Decadência

Print Friendly, PDF & Email

Decadência (Augusto dos Anjos)

Iguais às linhas perpendiculares
Caíram, como cruéis e hórridas hastas,
Nas suas 33 vértebras gastas
Quase todas as pedras tumulares!

A frialdade dos círculos polares,
Em sucessivas atuações nefastas,
Penetrara-lhe os próprios neuroplastas,
Estragara-lhe os centros medulares!

Como quem quebra o objeto mais querido
E começa a apanhar piedosamente
Todas as microscópicas partículas,

Ele hoje vê que, após tudo perdido,
Só lhe restam agora o último dente
E a armação funerária das clavículas!

Publicações relacionadas

Minha boemia Minha boemia (Arthur Rimbaud) Traduç...
Mote Mote (Gregório de Matos) De dous ff se compõe esta cidade a meu ver ...
Senhora, eu trajo o luto do pa... Senhora, eu trajo o luto do passado... (Augusto dos Anjos) Soneto Senhora,...
Canção da garoa Canção da garoa (Mário Quintana) Se tu me amas, ama-me baixinho Não o grit...

Deixe uma resposta