Decadência

Print Friendly, PDF & Email

Decadência (Augusto dos Anjos)

Iguais às linhas perpendiculares
Caíram, como cruéis e hórridas hastas,
Nas suas 33 vértebras gastas
Quase todas as pedras tumulares!

A frialdade dos círculos polares,
Em sucessivas atuações nefastas,
Penetrara-lhe os próprios neuroplastas,
Estragara-lhe os centros medulares!

Como quem quebra o objeto mais querido
E começa a apanhar piedosamente
Todas as microscópicas partículas,

Ele hoje vê que, após tudo perdido,
Só lhe restam agora o último dente
E a armação funerária das clavículas!

Publicações relacionadas

Paisagem Paisagem (Oswald de Andrade) Na atmosfera violeta A madrugada desbota Uma p...
Se souberas falar também falar... Se souberas falar também falarás (Gregório de Matos) Se souberas falar também...
Em pé Em pé (Mario Benedetti) Do livro "Inventário"...
Noiva da agonia Noiva da agonia (Cruz e Souza) Trêmula e só, de um túmulo surgindo, ...

Deixe uma resposta