A meditação sobre o Tietê

Print Friendly, PDF & Email

A meditação sobre o Tietê (Mário de Andrade)

Porque os homens não me escutam! Porque os governantes
Não me escutam? Por que não me escutam
Os plutocratas e todos os que são chefes e são fezes ?
Todos os donos da vida ?
Eu lhes daria o impossível e lhes daria o segredo,
Eu lhes dava tudo aquilo que fica pra cá do grito
Metálico dos números, e tudo
O que está além da insinuação cruenta da posse.
E si acaso eles protestassem que não! Que não desejam
A borboleta translúcida da humana vida, porque preferem
O retrato a ólio das inaugurações espontâneas,
Com béstias de operário e de oficial, imediatamente inferior,
E palminhas e mais os sorrisos das máscaras e a profunda comoção,
Pois não! Melhor que isso eu lhes dava uma felicidade deslumbrante
De que eu consegui me despojar porque tudo sacrifiquei.
Sejamos generosíssimos. E enquanto os chefes e as fezes
De mamadeira ficassem na creche de laca e lacinhos,
Ingênuos brincando de felicidade deslumbrante:
Nós iríamos de camisa aberta ao peito,
Descendo verdadeiros ao léu da corrente do rio,
Entrando na terra dos homens ao coro das quatro estações.

Publicações relacionadas

A Rua dos Cataventos A Rua dos Cataventos (Mário Quintana) Da vez primeira em que me assassinaram,...
Galope Galope (Rafael Alberti) Las tierras, las tierras, las tierras de España, la...
Um homem pessimista Um homem pessimista (Bertold Brecht) Um homem pessimista É tolerante. Ele s...
No sé por qué piensas tú No sé por qué piensas tú (Nicolás Guillén) De Cantos...

Deixe uma resposta