A meditação sobre o Tietê

Print Friendly, PDF & Email

A meditação sobre o Tietê (Mário de Andrade)

Porque os homens não me escutam! Porque os governantes
Não me escutam? Por que não me escutam
Os plutocratas e todos os que são chefes e são fezes ?
Todos os donos da vida ?
Eu lhes daria o impossível e lhes daria o segredo,
Eu lhes dava tudo aquilo que fica pra cá do grito
Metálico dos números, e tudo
O que está além da insinuação cruenta da posse.
E si acaso eles protestassem que não! Que não desejam
A borboleta translúcida da humana vida, porque preferem
O retrato a ólio das inaugurações espontâneas,
Com béstias de operário e de oficial, imediatamente inferior,
E palminhas e mais os sorrisos das máscaras e a profunda comoção,
Pois não! Melhor que isso eu lhes dava uma felicidade deslumbrante
De que eu consegui me despojar porque tudo sacrifiquei.
Sejamos generosíssimos. E enquanto os chefes e as fezes
De mamadeira ficassem na creche de laca e lacinhos,
Ingênuos brincando de felicidade deslumbrante:
Nós iríamos de camisa aberta ao peito,
Descendo verdadeiros ao léu da corrente do rio,
Entrando na terra dos homens ao coro das quatro estações.

Publicações relacionadas

A Cachoeira A Cachoeira (Castro Alves) MAS SÚBITO da noite no arrepio Um mugido soturno ...
Minha Desgraça Minha Desgraça (Álvares de Azevedo) Minha desgraça não é ser poeta, Nem na t...
Ultimo Credo Ultimo Credo (Augusto dos Anjos) Como ama o homem adúltero o adultério E o é...
Aurora morta, foge! Aurora morta, foge! (Augusto dos Anjos) Soneto Aurora morta, foge! Eu busc...

Deixe uma resposta