Confesso eu sou poeta

Print Friendly, PDF & Email

Confesso eu sou poeta (Paulo Leminski)

parem
eu confesso
sou poeta

cada manhã que nasce
me nasce
uma rosa na face

parem
eu confesso
sou poeta

só meu amor é meu deus

eu sou o seu profeta.

Publicações relacionadas

Os deslimites da palavra Os deslimites da palavra (Manoel de Barros) Ando muito completo de vazios. M...
Idealizações Idealizações (Augusto dos Anjos) A Santos Neto I...
Aquela gente antiga – II Aquela gente antiga - II (Cora Coralina) Aquela gente antiga explorava a minh...
Nada me demove Nada me demove (Paulo Leminski) nada me demove ainda vou ser o pai dos ...

Deixe uma resposta