Grande desejo

Print Friendly, PDF & Email

Grande desejo (Adélia Prado)

Não sou matrona, mãe dos Gracos, Cornélia,
sou é mulher do povo, mãe de Filhos, Adélia.
Faço comida e como.
Aos domingos bato o osso no prato pra chamar o cachorro
e atiro os restos.
Quando dói, grito ai,
quando é bom, fico bruta,
as sensibilidades sem governo.
Mas tenho meus prantos,
claridades atrás do meu estômago humilde
e fortíssima voz pra cânticos de festa.
Quando escrever o livro com o meu nome
e o nome que eu vou pôr nele, vou com ele a uma igreja,
a uma lápide, a um descampado,
para chorar, chorar; e chorar,
requintada e esquisita como uma dama.

Publicações relacionadas

Poema de Sete Faces Poema de Sete Faces (Carlos Drummond de Andrade) Quando nasci, um anjo torto ...
Alguns Toureiros Alguns Toureiros (João Cabral de Melo Neto) a Antôn...
Canção Canção (Fernando Pessoa) Silfos ou gnomos tocam?... Roçam nos pinheirais ...
A Esperança A Esperança (Augusto dos Anjos) A Esperança não murcha, ela não cansa, També...

Deixe uma resposta