Cantiga de Malazarte

Print Friendly, PDF & Email

Cantiga de Malazarte (Murilo Mendes)

Eu sou o olhar que penetra nas camadas do mundo,
ando debaixo da pele e sacudo os sonhos.
Não desprezo nada que tenha visto,
todas as coisas se gravam pra sempre na minha cachola.
Toco nas flores, nas almas, nos sons, nos movimentos,
destelho as casas penduradas na terra,
tiro os cheiros dos corpos das meninas sonhando.
Desloco as consciências,
a rua estala com os meus passos,
e ando nos quatro cantos da vida.
Consolo o herói vagabundo, glorifico o soldado vencido,
não posso amar ninguém porque sou o amor,
tenho me surpreendido a cumprimentar os gatos
e a pedir desculpas ao mendigo.
Sou o espírito que assiste à Criação
e que bole em todas as almas que encontra.
Múltiplo, desarticulado, longe como o diabo.
Nada me fixa nos caminhos do mundo.

Publicações relacionadas

A Louca A Louca (Augusto dos Anjos) A Dias Paredes Quando ela passa: - a veste des...
With the man With the man (Paulo Leminski) aqui no oeste todo homem tem um preço u...
Remorso póstumo Remorso póstumo/strong> (Charles Pierre Baudelaire) Tradução de Guilherme de...
Tentanda via Tentanda via (Antero de Quental) d...

Deixe uma resposta