Cristais

Print Friendly, PDF & Email

Cristais (Augusto dos Anjos)

Mais claro e fino do que as finas pratas
O som da tua voz deliciava…
Na dolência velada das sonatas
Como um perfume a tudo perfumava.

Era um som feito luz, eram volatas
Em lânguida espiral que iluminava,
Brancas sonoridades de cascatas…
Tanta harmonia melancolizava.

Filtros sutis de melodias, de ondas
De cantos volutuosos como rondas
De silfos leves, sensuais, lascivos…

Como que anseios invisíveis, mudos,
Da brancura das sedas e veludos,
Das virgindades, dos pudores vivos.

Publicações relacionadas

Preceito 07 Preceito 07 (Gregório de Matos) Já pelo sétimo entrando sem alterar o ton...
Puente Puente (Nicolás Guillén) De Odas Mínimas ¿Lejos? ...
A privada A privada (Bertold Brecht) É um lugar onde nos sentimos bem Tendo acima as e...
Glória Glória (Cruz e Souza) Florescimentos e florescimentos! Glória às estrelas, g...

Deixe uma resposta