Cristais

Print Friendly, PDF & Email

Cristais (Augusto dos Anjos)

Mais claro e fino do que as finas pratas
O som da tua voz deliciava…
Na dolência velada das sonatas
Como um perfume a tudo perfumava.

Era um som feito luz, eram volatas
Em lânguida espiral que iluminava,
Brancas sonoridades de cascatas…
Tanta harmonia melancolizava.

Filtros sutis de melodias, de ondas
De cantos volutuosos como rondas
De silfos leves, sensuais, lascivos…

Como que anseios invisíveis, mudos,
Da brancura das sedas e veludos,
Das virgindades, dos pudores vivos.

Publicações relacionadas

Poema da Necessidade Poema da Necessidade (Carlos Drummond de Andrade) É preciso casar João, é p...
Preceito 09 Preceito 09 (Gregório de Matos) Do nono não digo nada, porque para mim é ...
Sete poemas portugueses (6) Sete poemas portugueses (6) (Ferreira Gullar) Calco sob os pés sórdidos o mit...
Anelo Anelo (Johann Wofgang von Goethe) Tradução de Manuel Bandeira Só aos sáb...

Deixe uma resposta