Sinfonias do ocaso

Print Friendly, PDF & Email

Sinfonias do ocaso (Augusto dos Anjos)

Musselinosas como brumas diurnas
Descem do acaso as sombras harmoniosas,
Sombras veladas e musselinosas
Para as profundas solidões noturnas.

Sacrários virgens, sacrossantas urnas,
Os céus resplendem de sidéreas rosas,
Da lua e das Estrelas majestosas
Iluminando a escuridão das furnas.

Ah! por estes sinfônicos ocasos
A terra exala aromas de áureos vasos,
Incensos de turíbulos divinos.

Os plenilúnios mórbidos vaporam…
E como que no Azul plangem e choram
Cítaras, harpas, bandolins, violinos…

Publicações relacionadas

Turning point Turning point (Mario Benedetti) Do livro "Inv...
Nada, esta espuma Nada, esta espuma (Ana Cristina Cesar) Por afrontamento do desejo insisto n...
O Meu Impossível O Meu Impossível (Florbela Espanca) Minh'alma ardente é uma fogueira acesa, ...
N’augusta solidão dos cemitéri... N’augusta solidão dos cemitérios (Augusto dos Anjos) Soneto N’augusta soli...

Deixe uma resposta