Sinfonias do ocaso

Print Friendly, PDF & Email

Sinfonias do ocaso (Augusto dos Anjos)

Musselinosas como brumas diurnas
Descem do acaso as sombras harmoniosas,
Sombras veladas e musselinosas
Para as profundas solidões noturnas.

Sacrários virgens, sacrossantas urnas,
Os céus resplendem de sidéreas rosas,
Da lua e das Estrelas majestosas
Iluminando a escuridão das furnas.

Ah! por estes sinfônicos ocasos
A terra exala aromas de áureos vasos,
Incensos de turíbulos divinos.

Os plenilúnios mórbidos vaporam…
E como que no Azul plangem e choram
Cítaras, harpas, bandolins, violinos…

Publicações relacionadas

Soneto da separação Soneto da separação (Vinicius de Moraes De repente do riso fez-se o pranto ...
Satã Satã (Cruz e Souza) Capro e revel, com os fabulosos cornos Na fro...
Musica misteriosa… Musica misteriosa... (Augusto dos Anjos) Tenda de Estrelas níveas, reful...
O que aconteceu O que aconteceu (Vladmir Maiakowski) Tradução de ...

Deixe uma resposta