Sinfonias do ocaso

Print Friendly, PDF & Email

Sinfonias do ocaso (Augusto dos Anjos)

Musselinosas como brumas diurnas
Descem do acaso as sombras harmoniosas,
Sombras veladas e musselinosas
Para as profundas solidões noturnas.

Sacrários virgens, sacrossantas urnas,
Os céus resplendem de sidéreas rosas,
Da lua e das Estrelas majestosas
Iluminando a escuridão das furnas.

Ah! por estes sinfônicos ocasos
A terra exala aromas de áureos vasos,
Incensos de turíbulos divinos.

Os plenilúnios mórbidos vaporam…
E como que no Azul plangem e choram
Cítaras, harpas, bandolins, violinos…

Publicações relacionadas

Ao meu amigo Ao meu amigo/strong> (Mario Benedetti) Estou orgulhoso e feliz de ser seu am...
La cogida y la muerte La cogida y la muerte (Federico Garcia Lorca) La luna vino a la fragua con s...
Em pé Em pé (Mario Benedetti) Do livro "Inventário"...
O fazedor de amanhecer O fazedor de amanhecer (Manoel de Barros) Sou leso em tratagens com máquina. ...

Deixe uma resposta