Sinfonias do ocaso

Print Friendly, PDF & Email

Sinfonias do ocaso (Augusto dos Anjos)

Musselinosas como brumas diurnas
Descem do acaso as sombras harmoniosas,
Sombras veladas e musselinosas
Para as profundas solidões noturnas.

Sacrários virgens, sacrossantas urnas,
Os céus resplendem de sidéreas rosas,
Da lua e das Estrelas majestosas
Iluminando a escuridão das furnas.

Ah! por estes sinfônicos ocasos
A terra exala aromas de áureos vasos,
Incensos de turíbulos divinos.

Os plenilúnios mórbidos vaporam…
E como que no Azul plangem e choram
Cítaras, harpas, bandolins, violinos…

Publicações relacionadas

Lisbon revisited (1926) Lisbon revisited (1926) (Álvaro de Campos) Nada me prende a nada. Quero cin...
Vai Alta no Céu Vai Alta no Céu (Alberto Caeiro) Vai alta no céu a lua da Primavera Penso em ...
A vida anterior A vida anterior (Charles Pierre Baudelaire) Tradução de Guilherme de Almeida...
Te quiero Te quiero (Mario Benedetti) Tus manos son mi caricia mis acordes cotidianos...

Deixe uma resposta