Madrigal à cibdá de Santiago

Print Friendly, PDF & Email

Madrigal à cibdá de Santiago (Federico Garcia Lorca)

Seis Poemas Galegos (1935)

CHOVE en Santiago
meu doce amor.
Camelia branca do ar
brila entenebrecida ô sol.

Chove en Santiago
na noite escura.
Herbas de prata e de sono
cobren a valeira lúa.

Olla a choiva pol-a rúa,
laio de pedra e cristal.
Olla no vento esvaído
soma e cinza do teu mar.

Soma e cinza do teu mar
Santiago, lonxe do sol;
Agoa da mañán anterga
trema no meu corazón.

Publicações relacionadas

O Próprio Ser eu Canto O Próprio Ser eu Canto (Walt Whitman) O próprio se eu canto: canto a pessoa...
Seu espelho é um sagaz Seu espelho é um sagaz (Mario Benedetti) Do ...
Cotovia Cotovia (Manuel Bandeira) — Alô, cotovia! Aonde voaste, Por onde an...
O poeta e a poesia O poeta e a poesia (Cora Coralina) Não é o poeta que cria a poesia. E sim, a...

Deixe uma resposta