A morte absoluta

Print Friendly, PDF & Email

A morte absoluta (Manuel Bandeira)

Morrer.
Morrer de corpo e de alma.
Completamente.

Morrer sem deixar o triste despojo da carne,
A exangue máscara de cera,
Cercada de flores,
Que apodrecerão – felizes! – num dia,
Banhada de lágrimas
Nascidas menos da saudade do que do espanto da morte.

Morrer sem deixar porventura uma alma errante…
A caminho do céu?
Mas que céu pode satisfazer teu sonho de céu?

Morrer sem deixar um sulco, um risco, uma sombra,
A lembrança de uma sombra
Em nenhum coração, em nenhum pensamento,
Em nenhuma epiderme.

Morrer tão completamente
Que um dia ao lerem o teu nome num papel
Perguntem: “Quem foi?…”
Morrer mais completamente ainda,
– Sem deixar sequer esse nome.

Publicações relacionadas

Versos íntimos Versos íntimos (Augusto dos Anjos) Vês?! Ninguém assistiu ao formidável Ent...
Ao Começar meus estudos Ao Começar meus estudos (Walt Whitman) Ao Começar meus estudos, me agradou t...
Ignoto Deo Ignoto Deo (Antero de Quental) Que belleza mortal se te assemelha, Ó sonhad...
A uma que lhe chamou pica-flor A uma que lhe chamou pica-flor (Gregório de Matos) Se Pica-flor me chamais P...

Deixe uma resposta