A morte absoluta

Print Friendly, PDF & Email

A morte absoluta (Manuel Bandeira)

Morrer.
Morrer de corpo e de alma.
Completamente.

Morrer sem deixar o triste despojo da carne,
A exangue máscara de cera,
Cercada de flores,
Que apodrecerão – felizes! – num dia,
Banhada de lágrimas
Nascidas menos da saudade do que do espanto da morte.

Morrer sem deixar porventura uma alma errante…
A caminho do céu?
Mas que céu pode satisfazer teu sonho de céu?

Morrer sem deixar um sulco, um risco, uma sombra,
A lembrança de uma sombra
Em nenhum coração, em nenhum pensamento,
Em nenhuma epiderme.

Morrer tão completamente
Que um dia ao lerem o teu nome num papel
Perguntem: “Quem foi?…”
Morrer mais completamente ainda,
– Sem deixar sequer esse nome.

Publicações relacionadas

Tática e estratégia Tática e estratégia (Mario Benedetti) Tradução Minha tática é olhar-te a...
O poeta e a poesia O poeta e a poesia (Cora Coralina) Não é o poeta que cria a poesia. E sim, a...
Conciliação Conciliação (Cruz e Souza) Se essa angústia de amar te crucifica, Não és da ...
O relógio O relógio (João Cabral de Melo Neto) 1. Ao redor da vida do h...

Deixe uma resposta