Quando em teu colo deitei a cabeça, meu camarada

Print Friendly, PDF & Email

Quando em teu colo deitei a cabeça, meu camarada (Walt Whitman)

Tradução de Mário Ferreira dos Santos


eu não respeito e nunca respeitei
experiência, conveniência,
nem maiorias, nem ridículo,
e a ameaça do que chamamos de inferno
para mim nada é, ou muito pouco,
meu camarada querido: eu confesso
que o incitei a ir em frente comigo
e que ainda incito sem a mínima idéia
de qual venha a ser o nosso destino
ou se vamos sair vitoriosos
ou totalmente sufocados e vencidos.;

Publicações relacionadas

Para o livro do Aníbal Beça Para o livro do Aníbal Beça (Thiago de Mello Não faço prefácio. Faço um can...
Cantiga de Malazarte Cantiga de Malazarte (Murilo Mendes) Eu sou o olhar que penetra nas camadas d...
Não digas nada! Não digas nada! (Fernando Pessoa) Não digas nada! Nem mesmo a verdade Há ...
Creio Creio (Alberto Caeiro) Creio que irei morrer. Mas o sentido de morrer n...

2 comentários em “Quando em teu colo deitei a cabeça, meu camarada

    1. Walt Whitman é um poeta americano nascido 1819. É considerado um dos mais importantes de sua época, é também uma das maiores referências para toda a literatura do século XIX e século XX. Seus principais ecos estão em parte da literatura marginal e, principalmente no caso dos Estados Unidos, na poesia da geração beat.

      O site Escamandro, de Adriano Scandolara, faz uma interessante análise das obras do poeta: “uma das caracterizações mais evidentes dele é o caráter celebratório e efusivo de sua poesia. Em comparação com outros angustiados poetas de destaque do século XIX, notavelmente Baudelaire (que, moderníssimo também para sua época, publica As Flores do Mal com apenas dois anos de diferença em relação ao primeiro volume das Folhas de Relva), Whitman nos parece estranhamente contente. E esse contentamento parte de sua relação com a natureza, com a literatura, com a sociedade e as pessoas em geral.”

Deixe uma resposta