Baladas de uma outra terra

Print Friendly, PDF & Email

Baladas de uma outra terra (Fernando Pessoa)

Baladas de uma outra terra, aliadas
Às saudades das fadas, amadas por gnomos idos,
Retinem lívidas ainda aos ouvidos
Dos luares das altas noites aladas…
Pelos canais barcas erradas
Segredam-se rumos descridos…
E tresloucadas ou casadas com o som das baladas,
As fadas são belas e as estrelas
São delas… Ei-las alheadas…

E sao fumos os rumos das barcas sonhadas,
Nos canais fatais iguais de erradas,
As barcas parcas das fadas,
Das fadas aladas e hiemais
E caladas…

Toadas afastadas, irreais, de baladas…
Ais…

Publicações relacionadas

O ter deveres, que prolixa coi... O ter deveres, que prolixa coisa! (Álvaro de Campos) O ter deveres, que proli...
Poema Sujo – um fragment... Poema Sujo - um fragmento: "Velocidades" (Ferreira Gullar) Mas na cidade havi...
Poema da Gare de Astapovo Poema da Gare de Astapovo (Mário Quintana) O velho Leon Tolstoi fugiu de casa...
Minha boemia Minha boemia (Arthur Rimbaud) Traduç...

Deixe uma resposta