Meto-me para Dentro

Print Friendly, PDF & Email

Meto-me para Dentro (Alberto Caeiro)
De O Guardador de Rebanhos

Meto-me para dentro, e fecho a janela.
Trazem o candeeiro e dão as boas noites,
E a minha voz contente dá as boas noites.
Oxalá a minha vida seja sempre isto:
O dia cheio de sol, ou suave de chuva,
Ou tempestuoso como se acabasse o Mundo,
A tarde suave e os ranchos que passam
Fitados com interesse da janela,
O último olhar amigo dado ao sossego das árvores,
E depois, fechada a janela, o candeeiro aceso,
Sem ler nada, nem pensar em nada, nem dormir,
Sentir a vida correr por mim como um rio por seu leito.
E lá fora um grande silêncio como um deus que dorme.

Publicações relacionadas

Há Metafísica Bastante em Não ... Há Metafísica Bastante em Não Pensar em Nada (Alberto Caeiro) ...
Poética Poética (Federico Garcia Lorca) (Lo...
Das utopias Das utopias (Mário Quintana) Se as coisas são inatingíveis... ora! não é m...
Trem de ferro Trem de ferro (Manuel Bandeira) Café com pão Café com pão Café com pão V...

Deixe uma resposta