Ricordanza della mia gioventú

Print Friendly, PDF & Email

Ricordanza della mia gioventú (Augusto dos Anjos)

A minha ama-de-leite Guilhermina
Furtava as moedas que o Doutor me dava.
Sinhá-Mocinha, minha mãe, ralhava…
Via naquilo a minha própria ruína!

Minha ama, então, hipócrita, afetava
Susceptibilidades de menina:
“- Não, não fora ela -” E maldizia a sina,
Que ela absolutamente não furtava.

Vejo, entretanto, agora, em minha cama,
Que a mim somente cabe o furto feito…
Tu só furtaste a moeda, o oiro que brilha…

Furtaste a moeda só, mas eu, minha ama,
Eu furtei mais, porque furtei o peito
Que dava leite para a tua filha!

Publicações relacionadas

A rosa de Albert, que tocaba, ... A rosa de Albert, que tocaba, pensativa, el arpa (siglo XX) (Rafael Alberti) ...
Você e nós Você e nós (Mario Benedetti) Tradução Vocês quando amam exigem bem estar ...
Para onde fores, Pai, para ond... Para onde fores, Pai, para onde fores... (Augusto dos Anjos) Sonetos ...
Poesia 1970 Poesia 1970 (Paulo Leminski) Tudo o que eu faço Alguém em mim que eu desprez...

Deixe uma resposta