Ricordanza della mia gioventú

Print Friendly, PDF & Email

Ricordanza della mia gioventú (Augusto dos Anjos)

A minha ama-de-leite Guilhermina
Furtava as moedas que o Doutor me dava.
Sinhá-Mocinha, minha mãe, ralhava…
Via naquilo a minha própria ruína!

Minha ama, então, hipócrita, afetava
Susceptibilidades de menina:
“- Não, não fora ela -” E maldizia a sina,
Que ela absolutamente não furtava.

Vejo, entretanto, agora, em minha cama,
Que a mim somente cabe o furto feito…
Tu só furtaste a moeda, o oiro que brilha…

Furtaste a moeda só, mas eu, minha ama,
Eu furtei mais, porque furtei o peito
Que dava leite para a tua filha!

Publicações relacionadas

Tecendo a Manhã Tecendo a Manhã (João Cabral de Melo Neto) A ...
Cien Sonetos de Amor – X... Cien Sonetos de Amor - XVII (Pablo Neruda) No te amo como si fueras rosa de s...
Cristais Cristais (Augusto dos Anjos) Mais claro e fino do que as finas pratas ...
Muerte y juicio Muerte y juicio (Rafael Alberti) 1 (MUERTE) ...

Deixe uma resposta