Ricordanza della mia gioventú

Print Friendly, PDF & Email

Ricordanza della mia gioventú (Augusto dos Anjos)

A minha ama-de-leite Guilhermina
Furtava as moedas que o Doutor me dava.
Sinhá-Mocinha, minha mãe, ralhava…
Via naquilo a minha própria ruína!

Minha ama, então, hipócrita, afetava
Susceptibilidades de menina:
“- Não, não fora ela -” E maldizia a sina,
Que ela absolutamente não furtava.

Vejo, entretanto, agora, em minha cama,
Que a mim somente cabe o furto feito…
Tu só furtaste a moeda, o oiro que brilha…

Furtaste a moeda só, mas eu, minha ama,
Eu furtei mais, porque furtei o peito
Que dava leite para a tua filha!

Publicações relacionadas

Canto da estrada real – ... Canto da estrada real - 01 (Walt Whitman) Traduç...
Viagem de um vencido Viagem de um vencido (Augusto dos Anjos) Noite. Cruzes na estrada. Aves com f...
Os que lutam Os que lutam (Bertold Brecht) "Há aqueles que lutam um dia; e por isso são mu...
Nada É Impossível De Mudar Nada É Impossível De Mudar (Bertold Brecht) Desconfiai do mais trivial , na...

Deixe uma resposta