As mãos de meu pai

Print Friendly, PDF & Email

As mãos de meu pai (Mário Quintana)

As tuas mãos têm grossas veias como cordas azuis
sobre um fundo de manchas já da cor da terra
– como são belas as tuas mãos
pelo quanto lidaram, acariciaram ou fremiram da nobre cólera dos justos…
Porque há nas tuas mãos, meu velho pai, essa beleza que se chama simplesmente vida.
E, ao entardecer, quando elas repousam nos braços da tua cadeira predileta,
uma luz parece vir de dentro delas…
Virá dessa chama que pouco a pouco, longamente,
vieste alimentando na terrível solidão do mundo,
como quem junta uns gravetos e tenta acendê-los contra o vento?
Ah! Como os fizestes arder, fulgir, com o milagre das tuas mãos!
E é, ainda, a vida que transfigura as tuas mãos nodosas…
Essa chama de vida – que transcende a própria vida
….e que os Anjos, um dia, chamarão de alma

Publicações relacionadas

Ao sol do meio-dia eu vi dormi... Ao sol do meio-dia eu vi dormindo - Soneto (Álvares de Azevedo) Ao sol do mei...
Passei ontem a noite junto del... Passei ontem a noite junto dela (Álvares de Azevedo) Passei ontem a noit...
O palácio da ventura O palácio da ventura (Antero de Quental) ...
O anel de vidro O anel de vidro (Manuel Bandeira) Aquele pequenino anel que tu me deste, – A...

Deixe uma resposta