Páscoa

Print Friendly, PDF & Email

Páscoa (Adélia Prado)

Velhice
é um modo de sentir frio que me assalta
e uma certa acidez.
O modo de um cachorro enrodilhar-se
quando a casa se apaga e as pessoas se deitam.
Divido o dia em três partes:
a primeira pra olhar retratos,
segunda pra olhar espelhos,
a última e maior delas, pra chorar.
Eu, que fui loura e lírica,
não estou pictural.
Peço a Deus,
em socorro da minha fraqueza,
abrevie esses dias e me conceda um rosto
de velha mãe cansada, de avó boa,
não me importo. Aspiro mesmo
com impaciência e dor.
Porque sempre há quem diga
no meio da minha alegria:
‘põe o agasalho’
tens coragem?’
por que não vais de óculos?’
Mesmo rosa sequíssima e seu perfume de pó,
quero o que desse modo é doce,
o que de mim diga: assim é.

Publicações relacionadas

Velhas tristezas Velhas tristezas (Cruz e Souza) Diluências de luz, velhas tristezas ...
Evolução Evolução (Antero de Quental) de ...
No sé por qué piensas tú No sé por qué piensas tú (Nicolás Guillén) De Cantos...
Uma Vida e Seu Ofício Uma Vida e Seu Ofício (Thiago de Mello Por Erorci Santana Claridão e antem...

Deixe uma resposta