Trégua

Print Friendly, PDF & Email

Trégua (Adélia Prado)

Hoje estou velha como quero ficar
Sem nenhuma estridência.
Dei os desejos todos por memória
e rasa xícara de chá.

Publicações relacionadas

Já que me põem a tormento Já que me põem a tormento (Gregório de Matos) Já que me põem a tormento mur...
Objeto de amar Objeto de amar (Adélia Prado) De tal ordem é e tão precioso o que devo dize...
Dos nossos males Dos nossos males (Mário Quintana) A nós bastem nossos próprios ais, Que a ni...
Irene no céu Irene no céu (Manuel Bandeira) Irene preta Irene boa Irene sempre de bom hu...

Deixe uma resposta