Trégua

Print Friendly, PDF & Email

Trégua (Adélia Prado)

Hoje estou velha como quero ficar
Sem nenhuma estridência.
Dei os desejos todos por memória
e rasa xícara de chá.

Publicações relacionadas

Nox Nox (Antero de Quental) de Sonet...
Cinco horas Cinco horas (Mário de Sá Carneiro) Minha mesa no Café, Quero-lhe tanto... ...
O Capoeira O Capoeira (Oswald de Andrade) Qué apanhá sordado? O quê? Qué apanhá? Pe...
O açúcar O açúcar (Ferreira Gullar) O branco açúcar que adoçará meu café nesta manhã ...

Deixe uma resposta