Trégua

Print Friendly, PDF & Email

Trégua (Adélia Prado)

Hoje estou velha como quero ficar
Sem nenhuma estridência.
Dei os desejos todos por memória
e rasa xícara de chá.

Publicações relacionadas

Poema da Necessidade Poema da Necessidade (Carlos Drummond de Andrade) É preciso casar João, é p...
Preceito 04 Preceito 04 (Gregório de Matos) Vejo, que morrem de fome os Pais daquelas...
Il Trovatore Il Trovatore (Augusto dos Anjos) Canta da torre o trovador saudoso - Addio...
Morrer no Rio de Janeiro Morrer no Rio de Janeiro (Ferreira Gullar) Se for março quando o verão ...

Deixe uma resposta