Vladmir_Maiakowski

Garoto

Print Friendly, PDF & Email

Garoto (Vladmir Maiakowski)

Tradução de E. Carrera Guerra

Fui agraciado com o amor sem limites.
Mas, quando garoto,
a gente preocupada trabalhava
e eu escapava
para as margens do rio Rion
e vagava sem fazer nada.
Aborrecia-se minha mãe:
“Garoto danado!”
Meu pai me ameaçava com o cinturão.
Mas eu,
com três rublos falsos,
jogava com os soldados sob os muros.
Sem o peso da camisa,
sem o peso das botas,
de costas ou de barriga no chão,
torrava-me ao sol de Kutais
até sentir pontadas no coração.
O sol se assombrava:
“Daquele tamaninho
e com um tal coração!
Vai partir-lhe a espinha!
Como, será que cabem
nesse tico de gente
o rio, o coração, eu
e cem quilômetros de montanhas?”

Publicações relacionadas

Em lugar de uma carta Em lugar de uma carta (Vladmir Maiakowski) ...
Nada, esta espuma Nada, esta espuma (Ana Cristina Cesar) Por afrontamento do desejo insisto n...
Os formais e o frio Os formais e o frio (Mario Benedetti) Do livr...
Coração frio Coração frio (Augusto dos Anjos) Frio o sagrado coração da lua, Teu coração ...

Deixe uma resposta