Modinha do Empregado de Banco

Print Friendly, PDF & Email

Modinha do Empregado de Banco (Murilo Mendes)

Eu sou triste como um prático de farmácia,
sou quase tão triste como um homem que usa costeletas.
Passo o dia inteiro pensando nuns carinhos de mulher
mas só ouço o tectec das máquinas de escrever.
Lá fora chove e a estátua de Floriano fica linda.
Quantas meninas pela vida afora!
E eu alinhando no papel as fortunas dos outros.
Se eu tivesse estes contos punha a andar
a roda da imaginação nos caminhos do mundo.
E os fregueses do Banco
que não fazem nada com estes contos!
Chocam outros contos para não fazerem nada com eles.

Também se o diretor tivesse a minha imaginação
o Banco já não existiria mais
e eu estaria noutro lugar.

Publicações relacionadas

O silêncio e o mar O silêncio e o mar (Mario Benedetti) Do livr...
Revista Verde REVISTA VERDE Uma publicação modernista nascida no interior de Minas. A...
Curriculum Curriculum (Mario Benedetti) El cuento es muy sencillo usted nace contemp...
Galope Galope (Rafael Alberti) Las tierras, las tierras, las tierras de España, la...

Deixe uma resposta