Sentimento do Mundo

Print Friendly, PDF & Email

Sentimento do Mundo (Carlos Drummond de Andrade)

Tenho apenas duas mãos
e o sentimento do mundo,
mas estou cheio escravos,
minhas lembranças escorrem
e o corpo transige
na confluência do amor.
Quando me levantar, o céu
estará morto e saqueado,
eu mesmo estarei morto,
morto meu desejo, morto
o pântano sem acordes.

Os camaradas não disseram
que havia uma guerra
e era necessário
trazer fogo e alimento.
Sinto-me disperso,
anterior a fronteiras,
humildemente vos peço
que me perdoeis.

Quando os corpos passarem,
eu ficarei sozinho
desfiando a recordação
do sineiro, da viúva e do microcopista
que habitavam a barraca
e não foram encontrados
ao amanhecer

esse amanhecer
mais noite que a noite.

Publicações relacionadas

Resumo Resumo (Adélia Prado) Gerou os filhos, os netos, deu à casa o ar de sua graç...
A Máscara A Máscara (Augusto dos Anjos) Eu sei que há muito pranto na existência, Dore...
Modinha do Empregado de Banco Modinha do Empregado de Banco (Murilo Mendes) Eu sou triste como um prático d...
Tabacaria Tabacaria (Álvaro de Campos) Não sou nada. Nunca serei nada. Não posso qu...

Deixe uma resposta