As Bolas de Sabão

Print Friendly, PDF & Email

As Bolas de Sabão (Alberto Caeiro)

De O Guardador de Rebanhos

As bolas de sabão que esta criança
Se entretém a largar de uma palhinha
São translucidamente uma filosofia toda.
Claras, inúteis e passageiras como a Natureza,
Amigas dos olhos como as cousas,
São aquilo que são
Com uma precisão redondinha e aérea,
E ninguém, nem mesmo a criança que as deixa,
Pretende que elas são mais do que parecem ser.
Algumas mal se vêem no ar lúcido.
São como a brisa que passa e mal toca nas flores
E que só sabemos que passa
Porque qualquer cousa se aligeira em nós
E aceita tudo mais nitidamente.

Publicações relacionadas

Sete poemas portugueses (3) Sete poemas portugueses (3) (Ferreira Gullar) Vagueio campos noturnos Muros...
Ausência Ausência (Vinicius de Moraes Eu deixarei que morra em mim o desejo de amar os...
Ideal Ideal (Augusto dos Anjos) Quero-te assim, formosa entre as formosas, No olha...
Budismo Moderno Budismo Moderno (Augusto dos Anjos) Tome, Dr., esta tesoura e... corte Minha...

Deixe uma resposta