O Amor é uma Companhia

Print Friendly, PDF & Email

O Amor é uma Companhia (Alberto Caeiro)

O amor é uma companhia.
Já não sei andar só pelos caminhos,
Porque já não posso andar só.
Um pensamento visível faz-me andar mais depressa
E ver menos, e ao mesmo tempo gostar bem de ir vendo tudo.
Mesmo a ausência dela é uma coisa que está comigo.
E eu gosto tanto dela que não sei como a desejar.

Se a não vejo, imagino-a e sou forte como as árvores altas.
Mas se a vejo tremo, não sei o que é feito do que sinto na ausência dela.
Todo eu sou qualquer força que me abandona.
Toda a realidade olha para mim como um girassol com a cara dela no meio.

Publicações relacionadas

À Beira do Abismo e do Infinit... À Beira do Abismo e do Infinito (Castro Alves) A celeste Africana, a Virgem-N...
Thamar y Amnón Thamar y Amnón (Federico Garcia Lorca) A las cinco de la tarde. Eran las ci...
Insônia Insônia (Augusto dos Anjos) Noite. Da Mágoa o espírito noctâmbulo Passou de...
Trégua Trégua (Adélia Prado) Hoje estou velha como quero ficar Sem nenhuma estridên...

Deixe uma resposta