O Amor é uma Companhia

Print Friendly, PDF & Email

O Amor é uma Companhia (Alberto Caeiro)

O amor é uma companhia.
Já não sei andar só pelos caminhos,
Porque já não posso andar só.
Um pensamento visível faz-me andar mais depressa
E ver menos, e ao mesmo tempo gostar bem de ir vendo tudo.
Mesmo a ausência dela é uma coisa que está comigo.
E eu gosto tanto dela que não sei como a desejar.

Se a não vejo, imagino-a e sou forte como as árvores altas.
Mas se a vejo tremo, não sei o que é feito do que sinto na ausência dela.
Todo eu sou qualquer força que me abandona.
Toda a realidade olha para mim como um girassol com a cara dela no meio.

Publicações relacionadas

Adiamento Adiamento (Fernando Pessoa) Depois de amanhã, sim, só depois de amanhã... Le...
O pressentimento O pressentimento (Federico Garcia Lorca) (10 de ...
Adivinhações Adivinhações (Nicolás Guillén) D...
Explicação de poesia sem ningu... Explicação de poesia sem ninguém pedir (Adélia Prado) Um trem-de-ferro é uma ...

Deixe uma resposta