O Amor é uma Companhia

Print Friendly, PDF & Email

O Amor é uma Companhia (Alberto Caeiro)

O amor é uma companhia.
Já não sei andar só pelos caminhos,
Porque já não posso andar só.
Um pensamento visível faz-me andar mais depressa
E ver menos, e ao mesmo tempo gostar bem de ir vendo tudo.
Mesmo a ausência dela é uma coisa que está comigo.
E eu gosto tanto dela que não sei como a desejar.

Se a não vejo, imagino-a e sou forte como as árvores altas.
Mas se a vejo tremo, não sei o que é feito do que sinto na ausência dela.
Todo eu sou qualquer força que me abandona.
Toda a realidade olha para mim como um girassol com a cara dela no meio.

Publicações relacionadas

Coito Coito (Ferreira Gullar) Todos os movimentos do amor são noturn...
Lembrem de mim Lembrem de mim (Paulo Leminski) lembrem de mim como de um que ouvia a chu...
A muralha A muralha (Nicolás Guillén) “La ...
Boêmios Boêmios (Álvares de Azevedo) Ato de uma comédia não escrita ...

Deixe uma resposta