Murta-de-cheiro

Murraya paniculata


Nome Científico: Murraya paniculata
Nomes Populares: Murta-de-cheiro, Dama-da-noite, Jasmim-laranja, Murta, Murta-da-índia, Murta-dos-jardins
Família: Rutaceae
Categoria: Arbustos, Árvores, Árvores Ornamentais, Cercas Vivas
Origem: Ásia, Índia, Malásia
Altura: 4.7 a 6.0 metros, 6.0 a 9.0 metros
Luminosidade: Meia Sombra, Sol Pleno
Ciclo de Vida: Perene
A murta-de-cheiro é um arbusto grande ou arvoreta, que pode alcançar até 7 metros de altura. Muito utilizada para a formação de cercas-vivas, a murta-de-cheiro apresenta ramagem lenhosa e bastante ramificada. Suas folhas são pinadas, com 3 a 7 folíolos pequenos, elípticos, glabros, perenes, brilhantes e de coloração verde-escura. Durante todo o ano produz inflorescências terminais, com flores de coloração branca ou branca-creme, com perfume que lembra jasmim e flor-de-laranjeira. Os frutos são do tipo baga, oblongos, carnosos, pequenos, de coloração vermelha a alaranjada e são muito atrativos para os pássaros.

Na antiguidade, os ramos floridos de murta-de-cheiro eram usados para confeccionar arranjos que adornavam os cabelos das noivas. Adequada para cercas vivas formais ou informais, ela apresenta rápido crescimento quando jovem, que vai decrescendo com a idade, reduzindo sua manutenção. Para a formação de cercas vivas, plante as mudas distanciadas em um metro umas das outras. Também é adequada para a arte do bonsai, devido às folhas pequenas e floração decorativa.1.



Planta muito utilizada na arborização urbana, para plantio em calçadas sob fiação elétrica, já que não atinge grande porte. Não deve ser plantada em área rural, perto de plantações de citrus, por ser hospedeira da bactéria do Greening.
Sinonímia: Camunium exoticum (L.) Kuntze; Chalcas cammuneng Burm.f.; Chalcas exotica (L.) Millsp.; Chalcas intermedia M.Roem.; Chalcas japanensis Lour.; Chalcas paniculata L.; Chalcas paniculata var. omphalocarpa Yu.Tanaka; Chalcas sumatrana M.Roem.; Connarus foetens Blanco; Connarus santaloides Blanco; Murraya exotica L.; Murraya omphalocarpa Hayata; Murraya paniculata var. exotica (L.) C.C.Huang e Murraya paniculata var. omphalocarpa (Hayata) Tanaka;
Porte: Sem podas pode alcançar até 7 metros de altura.[5]
Copa: Ramagem lenhosa e bastante ramificada
Folhas: Folhas pinadas, com 3-7 folíolos pequenos, elípticos, glabros, brilhantes e de coloração verde-escura.
Flores: Inflorescências terminais, com flores de coloração branca ou branca-creme, muito perfumadas e lembram o perfume da flor-de-laranjeira e do jasmim. Surgem quase o ano todo e atraem abelhas.[3]
Frutos: Os frutos são do tipo baga, pequenos, de coloração vermelha a alaranjada e atraem pássaros.2



Características: A murta-de-cheiro é um arbusto grande ou arvoreta, que pode alcançar até 7 metros de altura. Muito utilizada para a formação de cercas-vivas, a murta-de-cheiro apresenta ramagem lenhosa e bastante ramificada. Suas folhas são pinadas, com 3 a 7 folíolos pequenos, elípticos, glabros, perenes, brilhantes e de coloração verde-escura. Durante todo o ano produz inflorescências terminais, com flores de coloração branca ou branca-creme, com perfume que lembra jasmim e flor-de-laranjeira. Os frutos são do tipo baga, oblongos, carnosos, pequenos, de coloração vermelha a alaranjada e são muito atrativos para os pássaros.

Na antiguidade, os ramos floridos de murta-de-cheiro eram usados para confeccionar arranjos que adornavam os cabelos das noivas. Adequada para cercas vivas formais ou informais, ela apresenta rápido crescimento quando jovem, que vai decrescendo com a idade, reduzindo sua manutenção. Para a formação de cercas vivas, plante as mudas distanciadas em um metro umas das outras. Também é adequada para a arte do bonsai, devido às folhas pequenas e floração decorativa.

A murta-de-cheiro é sensível a cochonilhas, pulgões, nematódios, mosca-branca e clorose férrica. Além disso é hospedeira do psilídeo Diaphorina citri, transmissor do Greening dos Citros (doença causada pela bactéria Candidatus Liberibacter americanus). Esta doença causa sérios prejuízos econômicos à citricultura, motivo que levou algumas cidades a realizarem programas de erradicação da murta-de-cheiro do paisagismo urbano e rural. Devido a facilidade de propagação pode tornar-se invasiva.

Época de frutificação e florada: A floração ocorre o ano inteiro.
Cultivo: Deve ser cultivada sob sol pleno ou meia-sombra, em solo fértil, drenável, enriquecido com matéria orgânica e irrigado periodicamente; principalmente no primeiro ano após o plantio. Podas de formação e desfolhamento na primavera estimulam a renovação da folhagem e adensamento da planta. Aprecia o clima tropical, subtropical e mediterrâneo, tolerando o frio moderado, sem no entanto tolerar geadas fortes. Adubações semestrais e suplementação com quelatos de ferro ajudam a prevenir a clorose férrica e fortificam a planta. Multiplica-se por sementes e por estaquia dos ramos semi-lenhosos.
Aves mais atraídas pela planta: Beija-flores.
Ocorrência natural: Natural da Índia e Malásia, Sul e Sudeste da Ásia.3



EXEMPLAR PLANTADO NO CÓRREGO:
Foto em


Fontes:
1https://www.jardineiro.net/
2https://www.tudosobreplantas.com.br
3https://www.wikiaves.com.br


Print Friendly, PDF & Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *