Aroeira-vermelha

Schinus terebinthifolius


Nome popular: Aroeira-vermelha
Nome científico: Schinus terebinthifolius
Exigência por fertilidade:
Ciclo de vida:
Estrato:
Boa produtora de biomassa:
Alimento humano:
Atração de fauna e polinizadores:
Forrageira:
Potencial madeireiro:
Potencial Medicinal:
Potencial de renda e mercado:
Ocorrência predominante/ bioma indicado:


Nome Científico: Schinus terebinthifolius
Nomes Populares: Aroeira-mansa, Aguaraíba, Aroeira do-sertão, Aroeira-brasileira, Aroeira-da-praia, Aroeira-do-brejo, Aroeira-do-paraná, Aroeira-pimenteira, Aroeira-vermelha, Bálsamo, Cabuí, Cambuí, Corneíba, Fruto-de-sabiá, Pimenta-rosa
Família: Anacardiaceae
Categoria: Árvores, Árvores Ornamentais, Ervas Condimentares, Medicinal
Origem: América do Sul, Argentina, Brasil, Paraguai
Altura: 6.0 a 9.0 metros, 9.0 a 12 metros
Luminosidade: Sol Pleno
Ciclo de Vida: Perene
A aroeira-mansa é uma árvore de pequeno a médio porte, capaz de alcançar de 5 a 9 metros de altura. Seu caule é um pouco tortuoso e a casca escura e fissurada. As folhas são imparipinadas, com 8 a 12 centímetros de comprimento e 7 a 13 folíolos verdes, elípticos a obovados, com nervuras claras. A aroeira-mansa é dióica, isto é, há árvores fêmeas e árvores machos. As flores são pequenas, branco-esverdeadas, dispostas em inflorescências axilares e terminais do tipo rácemo, e são muito atrativas para abelhas. Os frutos são pequenas drupas, esféricas, rosadas a avermelhadas, que servem como condimento e alimentam as aves silvestres. O florescimento ocorre na primavera e no outono e o pólen abundante pode provocar reações alérgicas e irritações em pessoas sensíveis.

A aroeira-mansa é uma árvore bastante interessante para arborização urbana. Seu porte médio e a frutificação ornamental, aliados à rusticidade da planta, fazem com que ela seja uma excelente escolha para o paisagismo, prestando-se como arvoreta e cerca-viva. Ela também é indicada para reflorestamento de áreas degradas, pois é uma árvore pioneira. A pimenta-rosa, o fruto da aroeira-mansa, é muito popular na França, onde é utilizada na ornamentação e tempero de preparações culinárias. Seu sabor é levemente picante e adocicado. Da aroeira ainda se pode ser extrair madeira, própria para moirões e lenha, e óleos essenciais, utilizados em fitoterapia.1



Características Gerais: Espécie perenifólia. É encontrada desde o Ceará até o Rio Grande do Sul, sendo uma árvore típica das caatingas nordestinas. Ocorre nos capões das florestas estacionais semideciduais, frequente nas capoeiras das encostas, beiras de rios e nos campos, como invasora de áreas abandonadas. Pesquisadores descobriram que a planta tem propriedades que podem combater infecções letais e frear a multiplicação de superbactérias dentro do organismo.
Sinonímia: Sarcotheca bahiensis Turcz; Schinus antiarthriticus Mart. ex March.; Schinus weinmanniifolius Mart.e Schinus chichita Spreng
Etimologia: nome indígena: Aguaraiba, etimologia – vem do Tupi-Guarani e quer dizer: arvore que alimenta o Aguará (uma espécie de cachorro do mato).
Porte: Árvore de 3 a 6 m de altura, podendo chegar até 15 m de altura.
Caule: Tronco com casca de coloração acinzentada, lisa, com fissuras estreitas e longitudinais.
Folhas: Folhas compostas, imparipidadas, membranáceas, verde-escuras, pecíolo com pequena asa lateral; com 9 a 11 folíolos, sésseis, oblongo-elípticos, ápice agudo, base assimétrica, nervura central proeminente na face inferior, bordos serreados, com forte cheiro de manga.
Flores: Flores com pétalas brancas ou amareladas, glabras, numerosas, reunidas em densas panículas terminais nos ramos. Dezembro a março.
Frutos: Fruto drupa, globosa, de parede lisa e quebradiça, coloração avermelhada, com uma só semente. Frutifica de maio a junho.
Sementes: Vermelhas.2


3

Loader Loading...
EAD Logo Taking too long?

Reload Reload document
| Open Open in new tab

Download [379.06 KB]


EXEMPLAR PLANTADO NO CÓRREGO:
Foto em


Fontes:
1https://www.jardineiro.net/
2https://www.tudosobreplantas.com.br
3http://nossacasa.net/nossosriachos/agroecologia/manual-de-identificacao-de-mudas-de-especies-florestais/


Print Friendly, PDF & Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *