Terramicina

Alternanthera brasiliana


Nome científico: Alternanthera brasiliana (L.) O. Kunt.
Família: Amaranthaceae.
Nomes populares: anador, melhoral, acônito-do-mato, caaponga, cabeça-branca, carrapichinho, carrapichinho-do-mato, ervanço, infalível, nateira, penicilina, perpétua, perpétua-do-brasil, perpétua-do-mato, quebra-panela, sempre-viva, terramicina.
Sinônimos botânicos: Achyranthes bettzickiana (Regel) Standl., Achyranthes brasiliana (L.) Standl., Achyranthes capituliflora Betero, Achyranthes geniculata Pavon ex Moq., Achyranthes ramosissima Stand., Alternanthera dentata (Moench) Stuchlik ex R.E. Fries, Alternanthera jacquinii (SCHRADER) Alain, Gomphrena brasiliana L., Gomphrena brasiliensis (L.) Lam., Mogiphanes ramosissima Mart., Mogiphanes brasiliensis Mart., Mogiphanes straminea Mart., Telanthera bettzickiana Regel, Telanthera brasiliana Moq., Telanthera capituliflora Moq., Telanthera ramosissima Moq.
Nota: tem botânico que não considera a Alternanthera dentata (e seus sinônimos botânicos) como a mesma espécie. A cor mais arroxeada e as tépalas mais curtas que as brácteas, são as principais diferenças.
Propriedades medicinais:
folhas: analgésicas, depurativa, diurética, digestiva;
flores: béquicas.
Nota: em vitro apresentou atividade anti-tumoral.
Indicações: bexiga, fígado, hemorróidas, dores.
Nas Guianas as folhas são usadas como adstringente e antidiarréica e a planta inteira em maceração para prisão de ventre.
Parte utilizada: folhas.
Contra-indicações/cuidados: não encontrados na literatura consultada.
Modo de usar: infusão, decocção.
– infusão de uma colher de sobremesa de flores em um litro de água. Tomar 3 a 4 xícaras de chá ao dia: béquica.
– infusão de uma colher de sopa (rasa) de folhas picadas em uma xícara de água.
1.


Na medicina popular, Alternanthera brasiliana é amplamente utilizada no tratamento de diversas patologias, sendo comprovadas a ação antiinflamatória, analgésica e ainda a atividade antiviral – inibidora do vírus da herpes simples. É utilizada no tratamento de inflamações, dores e processos infecciosos (BROCHADO et al., 2003; MACEDO et al., 2004).
Outros idiomas: brazilian joyweed, calico plant, marie-claire, purple joyweed, ruby leaf (Inglês); marguerite à feuilles rouges (Francês);
Folhas: As folhas de A. brasiliana são simples, peninérvias, opostas cruzadas, membranáceas e levemente pilosas em ambas as faces. O limbo é ovallancelado, de margem inteira levemente ondulada, base atenuada, ápice agudo e levemente acuminado. Nos exemplares cultivados observam-se folhas com diversos padrões de coloração verde e púrpura. Em sua maioria demonstram a face adaxial verde e a abaxial púrpura, enquanto outras são totalmente púrpura.As dimensões das folhas maduras, no desenvolvimento vegetativo pleno da planta, variou de 9,5 a 16,0 cm de comprimento por 3,5 a 6,8 cm de largura.
Flores: Apresenta flores brancas ou amareladas, dispostas em inflorescências do tipo glomérulo, compostas por flores hermafroditas, actinomorfas e monocíclicas2.


EXEMPLAR PLANTADO NO CÓRREGO:
Foto em


Fontes:
1http://www.plantamed.com.br
2https://www.tudosobreplantas.com.br


Print Friendly, PDF & Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *