Cambuí-do-brejo

Eugenia blastantha


Nome popular: Cambuí-do-brejo
Nome científico: Eugenia blastantha
Exigência por fertilidade:
Ciclo de vida:
Estrato:
Boa produtora de biomassa:
Alimento humano:
Atração de fauna e polinizadores:
Forrageira:
Potencial madeireiro:
Potencial Medicinal:
Potencial de renda e mercado:
Ocorrência predominante/ bioma indicado:


Eugenia blastantha, popularmente conhecida como grumixama-mirim ou pitanga-roxa-da mata é uma arvoreta rara nativa da área entre o sudeste do estado de São Paulo e o estado de Santa Catarina, sendo parte da vegetação da Mata Atlântica.
Seus frutos são considerados como saborosos e possuem cor arroxeada.1


NOME INDIGENA: Grumixama mirim– vem do tupi-guarani e significa “Fruta da arvore que se descasca” e o termo mirim descreve o tamanho pequeno. Também é chamada de Pitanga roxa da mata.
Origem: Nativa dos sub-bosques da loresta semideciduas (que perdem as folhas) de altitude, de desde Minas Gerais até Santa Catarina, Brasil. Mais informações no link:
Características: arvore de pequeno porte quando cultivada a pleno sol, atingindo 2 a 4 m de altura. Na mata a arvore atinge de 5 a 10 m de altura. O tronco é marrom escuro com casca que se desprende em placas retangulares. A copa é piramidal, perenifólia, densa e com brotações avermelhadas. As folhas são subcoriáceas (rijas), de cor verde escura, glabra (sem pelos) oval-oblongas (forma de ovo alongado) medindo 4 a 6 cm de comprimento por 1,5 a 2,5 cm de largura, com base longo cuneada (forma de cunha) e ápice brevemente obtuso (arredondado). As flores nascem em pequenos racemos (tipo de caco curto) axilares de 3 a 6 cm de comprimento com 4 a 8 flores sob pedúnculo (haste ou suporte) de 1,5 a 3 cm, com 4 sépalas esverdeadas lanceoladas e 4 pétalas brancas de 1,2 a 1,6 cm de comprimento. Os frutos são bagas de 8 mm a 1,4 cm de diâmetro
Dicas para cultivo: planta de fácil cultivo e resiste a baixas temperaturas (até – 5 graus), embora seja de altitude acima de 500 m, frutifica bem quando plantada ao nível do mar; o solo deve ser profundo, úmido, neutro, com constituição arenosa ou argilosa (solo vermelho). É preciso plantas no mínimo 2 plantas para uma melhor produção.
Mudas: As sementes são arredondadas de cor creme pardacento, recalcitrantes (perde o poder germinativo em 20 a 30 dias) e por isso devem ser plantadas logo que colhidas em substrato organo-arenoso. A germinação ocorre em 40 a 60 dias, e as mudas atingem 30 cm com 8 meses de viveiro. Após plantada, inicia a frutificação com 3 a 4 anos. As mudas desenvolvem-se tanto em pleno sol, como na sombra.

Plantando: Pode ser plantada tanto a pleno sol como na sombra em bosques com arvores grandes bem espaçadas. Espaçamento 6 x 6 m. Faça cova quadradas com 50 cm nas três dimensões e adicione 500kg de calcário, 1 kg de cinzas e cerca de 40% de matéria orgânica, deixando curtir por 2 meses. A melhor época de plantio é de outubro a novembro. Irrigar a cada quinze dias nos primeiros 3 meses, depois somente se faltar água na época da florada.
Cultivando: Fazer apenas podas de formação da copa e eliminar os galhos que nascerem na base do tronco. Adubar com composto orgânico, pode ser 4 pás de cama de frango bem curtido + 30 gr de N-P-K 10-10-10 dobrando essa quantia a cada ano até o 3ª ano, depois manter essa adubação.

Usos: Frutifica nos meses de outubro a novembro. Os frutos são consumidos in-natura, na forma de sucos, sorvetes e geleias. A arvore pode ser cultivada como cerca viva, tendo um belo efeito ornamental devido a brotação ferruginosa das folhas.2


Referências:
1https://pt.wikipedia.org/wiki/Eugenia_blastantha
2http://www.colecionandofrutas.com.br/eugeniablastantha.htm

Print Friendly, PDF & Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *