Aipim

Manihot esculenta


Nome Científico: Manihot esculenta Crantz
Nomes Populares: Mandioca, mandioca-brava, macaxeira, aipim, aipi, aimpim, candinga, castelinha, macamba, macaxeira, macaxera, mandioca-doce, maniva, maniveira, moogo, mucamba, pão-da-america, pão-de-pobre, pau-de-farinha, pau-farinha, tapioca, uaipi, xagala
Família: Euphorbiaceae
Conhecida pela rusticidade e pelo papel social que desempenha junto às populações de baixa renda, a cultura da mandioca tem grande adaptabilidade aos diferentes ecossistemas, o que possibilita seu cultivo praticamente em todo território nacional. A mandioca, planta com grande capacidade de produção de amido, tem sua principal importância na alimentação humana, principalmente na população de baixa renda. Ela é ingrediente principal da Multimistura, a farinha múltipla nutritiva, de sabor regional e baixo custo que, sob comando da nutróloga Dra. Clara Brandão, ajudou a recuperar milhares de vidas em nosso país. Há variedades de mandioca, chamadas “bravas” cujas raízes, quando ingeridas cruas ou mesmo cozidas, podem provocar intoxicações, porque encerram uma substância (um glicosídeo cianogenético de nome “linamarina”) capaz de produzir ácido cianídrico (HCN) quando em presença dos ácidos ou enzimas do estomago. As variedades “mansas” (aipins ou macaxeras) também o encerram, porém em quantidades inócuas. A secagem (pelo calor do sol ou de secadores) elimina veneno por volatilização. O ácido cianídrico é volátil a temperatura de 26 ºC.
Etimologia: Conta uma lenda Tupi que, nas imediações de onde hoje é a cidade de Santarém (PA), vivia a filha de um chefe indígena. Certo dia, ela apareceu grávida e o pai não conseguiu descobrir quem era o responsável. Então o chefe decidiu matar a filha para restaurar sua honra. Antes de cumprir a sentença, um homem branco surgiu em seu sonho e o convenceu da inocência da índia, que, assim, escapou da morte. Nove meses depois, ela teve um menino que recebeu o nome de Mani. A pele branca da criança e sua esperteza atraíam a curiosidade de toda a tribo. Quando estava com 1 ano, o bebê morreu sem explicação e foi enterrado dentro da casa da família, seguindo a tradição indígena. De seu túmulo começou a brotar uma planta desconhecida de todos. Um dia, a terra à sua volta rachou, mostrando as raízes da planta. A família do chefe identificou as raízes com o corpo de Mani e aprendeu a usá-las como alimento. Daí a origem provável da palavra mandioca: Mani-oca (a casa de Mani).
Outros idiomas: Yuca
Características: Planta dicotiledônia. Em alguns locais do Brasil, o termo mandioca é utilizado tanto para a M. utilissima (aipim ou macaxeira ou, ainda, mandioca-doce) quanto para a M. esculenta (mandioca-brava ou mandioca-amarga). A primeira contém menos cianeto que a segunda e, portanto, pode ser utilizada como alimento sem o necessário preparo de retirada do cianeto, como ocorre no preparo da mandioca. Com processos que retiram dela esta substância, fazem-se farinhas de vários tipos. Os cronistas portugueses identificaram que os índios conseguiam fazer sete tipos de farinha de mandioca. Hoje, algumas ainda são muito comuns, como a farinha amarela, a farinha dágua e a farinha de tapioca. Já a M. utilissima é utilizada cozida e frita. Suas folhas são utilizadas para fazer maniçoba.
Porte: Semi-arbustivo, podendo chegar até 5 m de altura.
Copa: O nome dado ao caule do pé de mandioca é maniva, o qual, cortado em pedaços, é usado no plantio.
Raízes: As raízes são utilizadas para fazer farinhas ou consumidas cozidas e fritas1.

Manihot esculenta


Sinônimos botânicos: Janipha manihot Kunth, Janipha manihot L., Jatropha diffusa (Pohl) Steud., Jatropha digitiformis (Pohl) Steud., Jatropha dulcis J.F. Gmel., Jatropha flabellifolia (Pohl.) Steud., Jatropha janipha Lour., Jatropha loureirii (Pohl) Steud., Jatropha manihot L., Jatropha mitis Rottb., Jatropha paniculata Ruiz & Pav. ex Pax, Jatropha stipulata Vell., Mandioca dulcis Parodi, Mandioca utilissima Link, Manihot aipi Pohl, Manihot diffusa Pohl, Manihot digitiformis Pohl, Manihot dulcis (J.F. Gmel.) Pax, Manihot edule A. Rich., Manihot flabellifolia Pohl., Manihot flexuosa Pax & K. Hoffm., Manihot loureirii Pohl, Manihot manihot (L.) Cockerell, Manihot melanobasis Müll. Arg., Manihot palmata var. aipi (Pohl) Müll. Arg., Manihot palmata var. diffusa (Pohl) Müll. Arg., Manihot palmata var. digitiformis (Pohl) Müll. Arg., Manihot palmata var. flabellifolia (Pohl.) Müll. Arg., Manihot sprucei Pax., Manihot utilissima Pohl.
Outros nomes populares: aipi, aipim, castelinha, macaxeira, maniva, maniveira, pão-de-pobre, uaipi. Mandioca e yuca (espanhol), manioc (francês), cassava (inglês), manioca (italiano).
Constituintes químicos: acetona, ácido hidrociânico, ácido oxálico, amido, glucosídeos, linamarina, óleo essencial, proteínas, saponinas, sais minerais, triptofano, vitaminas do complexo B (tiamina, riboflavina, niacina), C.
Propriedades medicinais: anti-séptica, aperiente, cicatrizante, demulcente, diurética.
Indicações: abrir o apetite, feridas, chagas, tumor, abscesso, conjutivite, diarréia, disenteria, hérnia, inflamações em geral, cansaço, picada de cobra.
Parte utilizada: raízes, folhas.

Manihot esculenta


Contra-indicações/cuidados: a mandioca brava tem que passar por um tratamento especial (choque térmico ou mecânico) para a retirada do veneno. Algumas substâncias da mandioca brava causam intoxicação, dependendo da concentração presente na planta. A linamarina, pode levar à morte.
Modo de usar:
– folhas secas, tostadas e moídas: complemento alimentar, fonte de vitamina A, ferro, calcio.
– folhas: maniçoba (24 a 48 h para preparar. As folhas são cozidas com carnes, toucinho e temperos).
– farinha da raiz: diarréia.
– chá da raiz: favorece o sono, calmante.
– raiz na alimentação: cozida, frita, paçoca, farinha, purê, bolinhos, pudins, sopas, suflês, pães, bolos, biscoitos, bolinhos de goma, mingau.
– raiz da mandioca brava: fécula, farinha, tapioca, puba (ou carimã), polvilho (ou goma).
– suco da mandioca brava (decantado): abrir o apetite.
– cataplasma das raízes frescas: feridas e chagas.
– chá das raízes por decocção: tumor, abscesso, conjutivite, diarréia, disenteria, hérnia, inflamações em geral, cansaço, picada de cobra2.

Manihot esculenta


EXEMPLAR PLANTADO NO CÓRREGO:
Foto em


Fontes:
1https://www.tudosobreplantas.com.br/
2http://www.plantamed.com.br

Print Friendly, PDF & Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *