Bacupari-da-mata

Cheiloclinium cognatum


Nome popular: Bacupari da mata
Nome científico: Cheiloclinium cognatum
Exigência por fertilidade: alta
Ciclo de vida: perene
Estrato: alto
Boa produtora de biomassa: não
Alimento humano: sim
Atração de fauna e polinizadores: sim
Forrageira: não
Potencial madeireiro: sim
Potencial Medicinal: não
Potencial de renda e mercado: não
Ocorrência predominante/ bioma indicado: Cerrado


Nomes populares: Bacupari-da-mata, Saputá


Sinônimos: Cheiloclinium lineolatum (A.C. Sm.) A.C. Sm., Cheiloclinium neglectum A.C. Sm., Elaeodendron macrophyllum Rusby e Salacia cognata (Miers) Peyr.

Caule: tipo ereto(s)/escandente; ramo(s) jovem(ns) com catafilo(s) escamiforme(s) ausente(s).
Folha: estípula(s) denticulada(s); margem(ns) inteira a(s) obscuro(s) crenulada(s).
Inflorescência: tipo tirsóide(s) paniculado(s); posição axilar(es) ou falsamente terminal(ais); indumento ausente(s); bractéola(s) presente(s); pedúnculo(s) conspícuo(s); bráctea(s) presente(s); divisão não congesto(s).
Flor: forma campanulada(s); cor avermelhada; pétala(s) glabra(s); androceu 3; lobo(s) do estigma(s) inteiro emarginado(s) ou truncado(s); gineceu 3; óvulo(s) por lóculo(s) 2; antera(s) oblonga(s).
Fruto: formato esferoide/elipsoide.

Cheiloclinium cognatum

Árvores, arbustos, ou mais raramente lianas, glabras ou eventualmente com resina; ramos novos cilindricos a tetrangulares, eventualmente subalados, achatados, velhos cilíndricos a tetrangulares. Folhas opostas a subopostas; estípulas triangulares, denticuladas; pecíolos 6-7 mm, lâminas 11-16 x 3-,54 cm, elípticas a obovais, base cuneada a arredondada, margens crenuladas a obscuramente crenuladas, ápice agudo a acuminado, cartáceas, quando secas comumente verde-acinzentadas, nervuras secundárias promínulas em ambas as faces, curvadas e ascendentes. Inflorescências tirsoides-paniculadas, axilares ou eventualmente terminais, multifloras, raramente paucifloras, pedúnculos 4-12 mm, brácteas denticuladas, erosas ou inteiras, pedicelos 0,4-0,5 mm, duas ou três bractéolas por flor. Flores campanuliformis, sépalas triangulares, escariosas ou inteiras, pétalas comumente elípticas, as vezes obovais, escariosas, estames 3, anteras oblongas, ovário 3-locular, estigma 3-lobado, lobos inteiros, agudos, óvulos 2 por lóculo. Bagas 3-3,7 x 1,9-2,1 cm, esferoides a elipsoides, secas com faixas longitudinais irregulares e calosidades esbranquiçadas; sementes 1,5-2,1 x 1-1,5 cm.

Distribuição Geográfica
Ocorrências confirmadas: Norte (Acre, Amazonas, Amapá, Pará, Rondônia, Roraima, Tocantins); Nordeste (Alagoas, Bahia, Maranhão, Pernambuco, Piauí); Centro-Oeste (Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso); Sudeste (Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo)
Possíveis ocorrências: Sul (Paraná)
Domínios Fitogeográficos: Amazônia, Cerrado, Mata Atlântica, Pantanal
Tipo de Vegetação: Cerrado (lato sensu), Floresta Ciliar ou Galeria, Floresta de Terra Firme, Floresta Estacional Semidecidual, Floresta Ombrófila (= Floresta Pluvial)
1


EXEMPLAR PLANTADO NO CÓRREGO:
Foto em


Fontes
1http://reflora.jbrj.gov.br/


Print Friendly, PDF & Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *